A Vitamina C no esporte

A Vitamina C é responsável por mais de 300 funções no nosso corpo, muitas delas relacionadas com sua potência anti-oxidante. Ela  alivia o stress, reduz a pressão arterial e até cura alguns problemas de infertilidade masculina.

Ela também está ligada à produção de Colágeno. Essa substância é o “adesivo do corpo”, que cola os músculos aos ossos, a pele aos músculos o mantendo o corpo todo junto.

O colágenos ajuda a consertar ossos quebrados, cortes e outros machucados. Então será que faz sentido pensar que ele também trabalha acelerando a recuperação muscular? Os estudos científicos ainda são controversos e ainda não há um consenso sobre o efeito sobre a recuperação muscular e nem a dose para esse fim. De qualquer forma, o efeito comprovado no sistema imunológico é suficiente para que muitos atletas utilizem a vitamina C em sua suplementação diária.

A vitamina C potencializa o sistema imunológico, principalmente contra doenças provocadas por vírus, bactérias e fungos. Também diminui a concentração de histamina no corpo, diminuindo a força das alergias. Certamente uma grande aliada evitando aqueles dias de gripe que te deixarão em casa murchando a massa magra tão duramente conseguida.

Ela inclusive atua na produção dos hormônios da tireóide (a principal desculpa dos gordos) e auxilia na redução do colesterol sanguíneo. Depois disso você deve estar pensando: Como posso incluir essa preciosa substância na minha alimentação?

Ela é principalmente encontrada em frutas e vegetais frescos e não cozidos. Ela é uma vitamina bastante sensível  e facilmente destruída pelo cozimento, devido à sua sensibilidade ao calor e a luz. Cozinhar o vegetais em banho-maria é uma das formas mais eficazes de preservar a vitamina C nos alimentos.

Quanto tomar?

As recomendações oficiais são de 60 mg por dia, mas muitos profissionais de saúde consideram essa dose homeopática. Pessoas normais que não estão sujeitas grandes estresses musculares podem se beneficiar de doses em torno de 250-300 mg. Bodybuilders profissionais chegam a ingerir até 5 000 mg por dia dessa substância, uma quantidade logicamente proporcional ao stress muscular ao qual estão submetidos.

É interessante salientar que essa é uma vitamina hidrosolúvel, que não é armazenada no organismo. O corpo só utiliza o que necessita naquele momento e o resto é excretado através da urina. Portanto uma dose fracionada ao longo do dia parece ser a opção mais interessante.

Deficiência de Vitamina C

Algumas doenças como o escorbuto, anemia, depressão e hemorragias estão ligadas à falta dessa substância no organismo.

Fontes naturais de Vitamina C

Abacaxi,  Acerola, Agrião, Alface, Goiaba, Laranja, Limão, Kiwi, Pimentão, Rúcula, Alho, Cebola, Repolho, Espinafre, Caju e Morango.

Uma interessante revisão sobre o tema, publicada pela Revista Brasileira de Medicina do Esporte pode ser vista aqui

Sobre Leandro Osti
Licenciado em Educação Física pela UEL Mestre em Gestão do Desporto pela Faculdade de Motricidade Humana de Lisboa (FMH/UTL) Atua nas áreas de consultoria de gestão e marketing para academias, treinamento de professores para academias, treinamento personalizado e blogueiro Contato: acido.latico@yahoo.com

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: