Maratonas provocam ataques cardíacos?

Isso sim é um ataque cardíaco!

Milhões de pessoas participam de maratonas ou meias maratonas todos os anos e, assim como eu, talvez você já tenha pensado que esse extenuante exercício praticado por tanta gente deva levar a inúmeros ataques cardíacos durantes as provas. Estamos errados!

Um recente estudo publicado no The New England Journal of Medicine analisou corridas durante 10 anos (quase 11 milhões de corredores) e descobriu que apenas 59 pessoas tiveram paradas cardíacas durante as provas – 51 eram homens.

Quarenta e dois desses 59 desencarnaram (71%). O estudo menciona ainda que o índice de mortes por ataques cardíacos ocorridos fora do hospital é de 92%, uma média bem maior que a dos maratonistas. Talvez pelo fato dos maratonistas serem mais saudáveis, talvez pela proximidade dos paramédicos durante as provas.

A média de idade das vítimas é de 42 anos e a maior parte dos ataques aconteceu perto da linha de chegada, tanto na maratona quanto na meia. Porém a incidência desse problema na maratona foi de 3 a 5 vezes maior que na meia maratona

The researchers were able to obtain clinical data on about half of the deaths. For most of these, the cause was a condition called hypertrophic cardiomyopathy, a genetically-caused thickening of the heart wall that makes it electrically unstable. Dehydration was the cause of one death, hyperthermia another, and two people with structurally normal hearts apparently died of arrhythmias. Nine of the 23 people who died had more than one cardiac problem.

A velocidade no atendimento é o fator mais crucial para a sobrevivência. Os pesquisadores citam ainda que a razão de mertes por corredores é de 1 para 259.000, muito menor de que triatletas (1 para 52.630) por exemplo.

Comentário: Lembrando que a pesquisa trata de corridas de longa distância e por isso trata de atletas preparados. Nenhum corredor pé-de-chinelo de fim de semana se arrisca a correr 42 km de uma hora pra outra. O índice de mortes em corredores ocasionais é muito maior. A falta de exames prévios e de acompanhamento profissional são os maiores riscos para quem corre. Desde que exames sejam feitos e que haja uma progressão consciente do ritmo e das distâncias, a corrida se torna um esporte muito seguro para o coração.

Fonte: NYTimes.com

Sobre Leandro Osti
Licenciado em Educação Física pela UEL Mestre em Gestão do Desporto pela Faculdade de Motricidade Humana de Lisboa (FMH/UTL) Atua nas áreas de consultoria de gestão e marketing para academias, treinamento de professores para academias, treinamento personalizado e blogueiro Contato: acido.latico@yahoo.com

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: